quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Melhor Idade com...Fernando Pessoa


Saõ Paulo, 22 de outubro de 2008

Dia triste e ao mesmo tempo lindo. Consegue entender isso? Depois de um dia melancolico , com a magoa de ter tido um objetivo perdido e levado pelo vento. Mesmo deseludida me movimentei , ainda me restaram energia pra uma discontraida. Fui ao espaço da Cultura Inglesa acompanhar um recital de poesias de Fernando Pessoa , na voz e presença do Ator Francisco Cuoco.


O programa foi um tanto de risco. Risco de morrer de chorar ao ouvir as poesias falando sobre amor , vida, sonhos....

Cheguei no local sozinha uma hora antes da data marcada. Envergonha e sem jeito me encontrei em um cantinho bem perto do palco. As pessoas começaram a chegar, parecia que ali todos se conheciam, 99% velhinhos e 1 % ( eu) . Idosos, super bem arrumados, cheirando seu melhor perfume, vestindo sua melhor roupa. Achei lindo tudo aquilo. estusiasmados, felizes, falantes, bebendo seus drinks, vivendo a idade melhor de suas vidas.


Todos se colocaram frente ao palco, sentamos em mesas grandes e redondas. Eu lá no meio dos velhinhos simpáticos prestando atenção em suas conversas e em todos detalhes. Sentindo-me um peixe fora d'agua, fui perdendo a timidez e relaxei pronta para apreciar o show de poesias do Fernando Pessoa.

Francisco Cuoco se posicionou na parte mais alta do palco e começou o recital. Que lindo, que bom estar ali....tudo foi delicioso, suave, envolvente, prestei atenção em cada palavra. Cuoco interpretava ao recitar os poemas. Que bom sentir emoção. E não me derreti a chorar do jeito que pensei...senti o coração bater mais forte e grata por estar ali. Orgulhosa de estar lá mesmo sozinha .


Escrevi aqui trechos e poesias completas do Fernando Pessoa. As que mais gostei e as que me completaram, me confortaram em relação ao momento que passava.




AUTOPSICOGRAFIA

O poeta é um fingidor.

Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,

Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda Gira,
a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

Parte da poesia ; MAR PORTUGUÊS

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.



BASTA PENSAR EM SENTIR


Basta pensar em sentir
Para sentir em pensar.
Meu coração faz sorrir
Meu coração a chorar.
Depois de parar de andar,
Depois de ficar e ir,
Hei de ser quem vai chegar
Para ser quem quer partir.

Viver é não conseguir.

Partes da poesia; QUADRAS AO GOSTO POPULAR


A vida é um hospital

Onde quase tudo falta.

Por isso ninguém se cura
E morrer é que é ter alta.


Se eu te pudesse dizer
O que nunca te direi,
Tu terias que entender
Aquilo que nem sei.




A apresentação musical de fado com a cantora Alexandrina Ribeiro e o violinista Bonfim foi parte do encerramento. Músicas de Portugal, homenageando Fernando Pessoa.


Parte da música que não me saiu da cabeça...me fez lembrar de todo um passado esquecido.


Valeu a pena beijar quem beijei
sentir o que senti
amar quem amei
valeu a pena...


PESSOA, Fernando, 1888-1935


Poeta ímpar no universo das letras portuguesas, Fernando António Nogueira Pessoa é hoje considerado, também, um dos maiores vultos da poesia europeia do século XX.


O poeta é múltiplo: dentro dele encerram-se vários “eus” e ele não se consegue encontrar nem definir em nenhum deles, é incapaz de se reconhecer a si próprio – é um observador de si próprio. Sofre a vida sendo incapaz de a viver.

sábado, 27 de setembro de 2008

Nem Sexo frágil, Nem Sexo Fácil...






Pensa que é fácil ser mulher ? Além de hoje a mulher ter mil tarefas a fazer, o desafio do mercado de trabalho, cuidar da casa, cuidar dos filhos, estar bonita para o marido, arrumar tempo pra malhar...te parece fácil?

Ok, você concorda que não, que bom...agora imagina além de todos os desafios do dia-dia a mulher ter que aguentar o assédio, é na feira, no shopping, no transito, no elevador, na padaria, na igreja, no consultório médico e por ai vai..a mulher pode ser feia, gorda, magra, linda, simples o que for..todas são assediadas.


Cheguei no ponto LIMITE, parece tão normal que ninguém mais reclama . Mas ocorreu comigo um tipo de assédio inaceitável ( como todos deveriam ser). Eu com o dedo quebrado vou ao consultório procurar cuidado, atenção, profissionalismo , ética e por ai vai...sem mesmo perceber a gente busca valores o tempo todo, seja de quem for, como for, onde for...


Um médico que não te conhece na primeira consulta lhe beija no rosto para de despedir? Bom, talvez sim, talvez eu esteja sendo radical, chatinha demais...Ok, deixamos passar...


Na segunda consulta, retornei e na despedida novamente o tal beijo em minha direção...OPS...o sentido agora veio ao meio, ao meio da minha boca. É isso mesmo, sem vergonha na cara Dr Juliano ( nome verdadeiro) se despediu me pedindo um beijo na boca e me chamando de maravilhosa. UAU que legal um médico bonito e simpático tentou me beijar...sei que muita gente pensaria assim, mas pra mim foi um ato nojento, essa é a palavra..eu estava ali buscando cuidado e por um descontrole sexual desse Doutor fui assediada...minha resposta e esquiva foi negativa de imediato. Mas e ai? fica por isso mesmo? Sai do hospital sem entender, ainda não havia me caido a ficha, a dor do meu dedo quebrado não me deixava ainda pensar..dentro no carro voltando pra casa , parei e pensei, confesso que me deu uma crise de riso ... meu deus! que situação constrangedora eu passei, isso é tão estranho que chega ser cômico, fiquei imaginando minha cara, minha expressão, queria ter me visto nessa cena .


Tomei a decisão que muitas deveriam fazer, enviei um email para o hospital contanto o fato e entreguei uma carta em mãos da administradora do hospital. Com toda certeza ele ira negar, pode não dar em nada, mas que ele agora vai pensar antes de assediar alguma paciente, isso ele vai. Me senti violentada...é sim uma violência, ainda mais em situação aonde estava fragilizada e precisando de ajuda.


Definindo o assédio sexual


Assédio sexual é um tipo de coerção de caráter sexual praticada por uma pessoa em posição hierárquica superior em relação a um subordinado, normalmente em local de trabalho ou ambiente acadêmico. O assédio sexual caracteriza-se por alguma ameaça, insinuação de ameaça ou hostilidade contra o subordinado, com fundamento em sexismo.

Geralmente a vítima do assédio sexual é a mulher, embora nada garanta que ele também não possa ser praticado contra homens, homossexuais ou não. Do mesmo modo o agressor pode ser homem (mais comum) ou mulher.
No Brasil o assédio está assim definido na lei número 10224, de 15 de maio de 2001: "Constranger alguém com intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo-se o agente de sua condição de superior hierárquico ou ascendência inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função."
No âmbito laboral, não é necessário que haja uma diferença hierárquica entre assediado e assediante, embora normalmente haja. A Organização Internacional do Trabalho define assédio sexual como “atos, insinuações, contatos físicos forçados, convites impertinentes, desde que apresentem uma das características a seguir:



a) Ser uma condição clara para manter o emprego;
b) Influir nas promoções da carreira do assediado;
c) Prejudicar o rendimento profissional, humilhar, insultar ou intimidar a vítima.

Preste atenção!

Passar cantada e insistir não é coisa natural de homem?
Essa é outra balela dessa tal cultura de gênero. Homens e mulheres
são absolutamente iguais. São seres humanos, cuja única diferença é no
corpo.
A cultura de que “homem sempre está à procura de sexo” e que “mulher
difícil é mulher mal cantada”, nada mais é do que uma invenção social. Isso
nada tem de natural.
A verdade é que nem todos os homens cometem assédio sexual ou
qualquer outra violência contra a mulher. Apenas alguns cometem esses
atos, e nada há que possa justificar tal comportamento.



Lamentável...

Eliana Malizia

domingo, 20 de julho de 2008

Eu fico P. da vida !!


Fico P. da vida comigo quando...

...não consigo expressar o que sinto


...quando fico com TPM



...quando devoro uma barra de chocolate em um piscar de olhos



...quando eu gaguejo pra falar



...quando me arrependo de algo



...quando o planejado não da certo



...quando planejo muito



...quando me engano com as pessoas



...quando eu mordo a lingua



...quando sinto preguiça



... quando ganho uns quilinhos a mais



...quando não consigo arrumar meu quarto



...quando não consigo me concentrar



...quando não termino de ler um livro



...quando sinto ciumes



...quando chateio alguém



...quando fico ansiosa



...quando compro uma roupa que sei que nunca usarei



...quando esqueço o aniversário de alguém importante



...quando atraso-me



...quando não consigo acordar cedo



...quando lembro que sou péssima em contas



...quando tenho ataque de riso em lugar impróprio



...quando conto demais da minha vida



...quando me sinto feia



...quando vou na festa errada



...quando beijo a boca errada



...quando me engano com as pessoas



...quando falto a academia



...quando esqueço o celular em casa



...quando acaba meu dinheiro



...quando esqueço alguma palavra que preciso dizer



...quando erro o português



...quando lembro que ainda não aprendi Inglês



...quando não tem nada pra fazer



...quando fico horas escrevendo no meu blog e ter coisas mais importantes a fazer



Eliana Malizia






quinta-feira, 26 de junho de 2008

Marmita esmagada!!!


Dia 25 de junho, quarta-feira, dia do meu rodízio, frio de doer os ossos. Durante minha fuga pra atravessar Av. dos Bandeirantes antes das 17:00hs...a tempo de não levar multa, percebo o carro engasgando, vejo o ponteiro do combústivel na reserva. Mas com a energia positiva que mentalizei, mesmo com o carro empacando, consegui atravessar a avenida a tempo de não levar prejuízo e pontinhos na carteira .
Chegando próximo a minha casa, paro no posto pra abastecer e calibrar os pneus, quando penso em dar partida..quem disse que o carro funciona!! Resumindo...pedi socorro para um mecânico próximo..ele fez de tudo... e nada do carro funcionar.
E lá fui eu dentro do carro sendo guinchado até o mecânico. Minha preocupação na hora..era como seria no dia seguinte pra ir trabalhar. Ok, eu uma quase "atRéta" pensei em ir pedalando, mas chegar na casa do meu aluno suada não seria uma forma apresentável de lhe dar bom dia. Pois bem, sendo assim, resolvi ir trabalhar de busão!!!!
Hoje dia 26/06 - 5:20 da manhã o relógio despertou mais cedo do que o normal, tomei meu café e ainda escuro sai destino ao ponto de ônibus, fazia muito tempo que não ia trabalhar de ônibus...muiiiiiiiiiito tempo mesmo...isso foi a 12 anos.
Não sabia qual "bus" pegar, o valor da passagem e nem se daria tempo de chegar no horário combinado com o aluno....mas tudo foi dando certo, tive que pegar dois ônibus pra chegar na Av. Cidade Jardim. Poxa, fiquei surpreendida.....busão vazio, nada de trânsito, talvez por ser muito cedo? será?
Durante o trajeto comecei a lembrar da minha antiga rotina dentro de uma "caixa móvel". Lembro-me bem, como se fosse hoje... ônibus lotado, pessoas demais em um espaço muito limitado. Ronco de pessoas que dormiam, choro de criança , nariz fungando pessoas comendo coisas estranhas , tiques nervosos, pessoas falando alto , e pra levantar do banco quando sentava do lado da janela? Lembro que passava com o meu popô que nunca foi pequeno na cara da pessoa sentada ao lado e/ou praticamente no colo da mesma. E os odores? cheiro do resto da marmita esmagada, falta de banho, cigarro, peido. É , os odores ficavam perdidos pelo ar, não tinha pra onde ir e muito menos nós, como fugir? Prender a respiração? E as encoxadas? Ah não tinha como escapar! Era praticamente uma orgia, peitadas, bundadas e pintadas por todo canto...
Mas pra quem não sabe, dentro do ônibus existe muito calor humano, na verdade é muito lindo o amor que une e gruda as pessoas... risos
Melhor ainda era a emoção de sair dele de dentro dessa caixa móvel ambulante....chegava lembrar da hora em que nasci, a experiência lembrava muito o momento em que vi a luz pela primeira vez.
É, hoje encarei o transporte com tranquilidade, sabia que seria apenas hoje...e que amanhã já estarei com meu super Kaquinha ou Ka-bala que me leva por ai tudo.... adorei o desafio e lembrar do passado, mesmo com tanto aperto e odor!

terça-feira, 3 de junho de 2008

Meu olhar na Maratona





São paulo, 1 de junho .


Domingo chuvoso, preguiçoso...dia de ficar até mais tarde na cama..dia pra não fazer nada o dia todo. Mesmo assim venci a preguiça e levantei cedo...meio atrasada, correndo me arrumei pra ir de bicicleta participar da maratona internacional de são paulo. Fui pedalando a a largada ( 8km da minha casa) foi na nova Ponte, próximo a Espraiadas. Haviam poucos ciclistas, a maioria treinadores acompanhando alguns atletas, logo que cheguei já fiquei feliz, ver aquela imensidão de pessoas juntas, correndo, dando o melhor de si, superando dores, frio...vento e a garoa que incomodava. Me emociona ver tanta gente praticando saúde , é uma energia muito boa...pessoas que se cuidam, se gostam, se amam e por isso estão lá desafiando o limite do seu corpo, procurando sempre fazer o melhor tempo . No meio de tanta gente pude presenciar várias situações...o atleta com dor parando a competição...pessoas correndo com a postura completamente errada e tênis impróprio pra corrida, marido e mulher juntos..treinadores guiando atletas com deficiência visual. Por partes sentia a tensão das pessoas..muitos super concentrados , sérios e focados apenas em chegar ao final , mas muitos gritavam, cantavam, até conversavam sobre a queda do dólar e a bolsa de valores, ou vi conversas de todos os tipos, mulheres falando mau de homens, turma de amigos comentando sobre a próxima corrida...nossa quanto entusiasmo. Vou dizer que nunca havia visto tanta gente fazer xixi na rua ao mesmo tempo...ninguém se preocupava em mostrar as partes intimas..era pipi pra cá, pipi pra lá o tempo todo, mas olhei discretamente... isso não é novidade pra mim...risos. Mulheres não vi..talvez usaram os banheiros químicos, ou fizeram nas calças?


Engraçado foi ver o trânsito de motoristas em algumas partes do percurso. Olhavam assustados como quem diz " quanta gente louca, correndo na chuva " AHHHH, ai que eles se enganam, loucos são eles , que coragem pegar trânsito em pleno Domingo e ainda por cima engordando, dirigir carro não perde calorias, causa estresse e por isso ainda causa mais fome...muitos ali deviam estar indo comer aquela macarronada de domingo com a família, pode ter certeza!! Nada contra, também cometo o pecado da gula , mas ao menos prático atividades. No Brasil o indice do sedentárismo ainda é muito grande, por isso fiço o comentário , “Mudar o estilo de vida do brasileiro é o maior desafio” .


Mas voltando a maratona...o mais interessante de tudo aconteceu aos 14km, encontrei um senhor atleta que brecou sua corrida e começou a caminhar. Olhei pra ele e motivei com palavras " vamos, vamos, não para de correr, continua trotando, mesmo devagar" Ele pediu então pra que eu o estimulasse pedalando ao lado dele, e assim foi até os 26km, ele se apresentou , Deosete Vasconcellos, 61 anos, ex boxeador, contou sobre suas lutas, sobre as aulas de boxe que deu em Cuba, e o mais emocionante de tudo...ele estaria completando a 44º prova. Encherguei nele um exemplo de vida, esforço, dedicação, auto-estima, amor pelo próprio corpo. Ele me disse que com a idade dele, era consciente de seus limites e que a corrida pra ele era uma grande luta, chegar até o final era vencer seu maior rival ...a chegada. Algumas vezes ele parava pra caminhar, descansar..levava com ele uvas passas e energéticos em gel. Poxa, como foi interessante conhecer Deosete. Quando segui o percurso sozinha, ele me agradeceu contente, disse que havia o ajudado muito, que teria mais uma história pra contar...É Deosete, eu também agora tenho outra história pra contar e melhor, tenho ainda um bom exemplo pra levar pro resto da minha vida. Me despedi de Deosete nos e continuei pedalando "sozinha", fazia muiiiito tempo que não pedalava e confesso que teve horas que subidinhas eram desafiantes e não foi fácil, ...mesmo assim as pessoas motivavam também os ciclistas..pois vi alguns parando de pedalar e caminhando, empurrando a bicicleta. Não tenho vontade de correr 42km, gosto das provas de 10km, esta no meu limite , dentro do meu prazer pela corrida, depois disso as dores começam se manifestar de forma chata, incomoda.


Por fim, cheguei...música alta, muitas pessoas assistindo os atletas chegarem, batendo palmas...esperando seus conhecidos...parentes, amigos. pessoas se abraçando...mutios emocionados, atletas agradecendo seus treinadores...muitos chegando mancando , machucados mas a superação pra muitos falou mais alto. Achei lindo quando uma senhora aparentemente com seus 55 anos abraçava seu marido e seu filho que a esperava. Eles deram um abraço forte , pude perceber o orgulho... ela disse exausta " isso é coisa de doido, não é pra mim" provavelmente foi a primeira maratona que participava. Que bonita cena...quanta energia pude presenciar...como valeu a pena vencer a manhã do domingo chuvoso, poder acrescentar tantos bons exemplos para minha vida. De lá fui comemorar a minha " maratona ciclistica" risos... fui ao show da Macy Gray no parque Villa Lobos, venci mais um desafio, estava cansada e com frio, mesmo assim fui pedalando até lá..e valeu muito a pena...a maratona terminou com boa música, estilosa, sensual e estigante...dei até uma dançadinha para aquecer o corpo e mais ainda o coração. Como é bom sentir o nosso corpo, me sinto viva e feliz.

domingo, 20 de abril de 2008

Meu amor por duas rodas




vento no rosto..equilíbrio, coordenação..postura, noção espacial, rota, estrada, cuidado, reflexo..agilidade...perigo, atenção, liberdade , estilo, adrenalina educação, medo, velocidade, desafio, curva, ...isso é ser motociclista apaixonado...amo viver em duas rodas!!


Hoje vou contar um pouco dos momentos que passei com minhas motocas. Tenho 29 anos e experiência com moto desde os meus 18 anos. Minha primeira "moto", na verdade uma scooter, na época eu era hostess em um restaurante no jardins e estudava fotografia no Senac da lapa. Ia da minha casa ( perto do aeroporto de congonhas) até o curso trez vezes por semana...levava os equipamento fotográficos dentro do porta capacete...o curso terminava as 23:00 . Isso durou por um ano e meio e a motoquinha nunca me deixou na mão! Mas depois a vendi praticamente de graça..pelos excessos de multas. Primeira moto, primeira experiência com as leis de transito..achava que por ela ser pequena podia estacionar em cima da calçada, andar na contra mão...e por ai vai! rs

Por anos e anos tive apenas moto, não sabia andar de carro..tinha a rotina da faculdade, alunos do personal e trabalho hostess. Marginal Pinheiros e Av. 23 de Maio eram rotas do do dia-dia. Me lembro que muitas vezes colocava os motoboys pra correr...acelerava mesmo nos corredores...não tinha medo, mas hoje as coisas mudaram muito, sentir medo pra mim é questão de segurança e cuidado. E levar multas?? NUNCA mais! Sou uma motociclista muito educada!!

Lembro de uma viagem que fiz até litoral sul , eu e uma amiga tivemos a idéia de pegar estrada pela madrugada , arrumamos as coisas e bora...viajamos com uma Suzuki Intruder 250, mochilinha nas costas e sem medo de viver!!!!

Outra que a gente aprontava juntas..íamos muito em um lugar chamado Maria Joana, um lugar que tocava música anos 80. Eu a buscava em casa com minha moto Virago e seguíamos ao destino do Bar Dançante ..faziamos sucesso por lá...conhecidas como " as minas da moto" rs. O melhor de tudo era a volta pra casa, voltávamos sempre cantarolando músicas dos programas Silvio Santos... " Pedro de Laralalalá lala...." , " e a Sonia Lima lá lalalá lalá " riamos feito crianças. Oferecíamos carona nos Pontos de Ônibus como se fossemos uma "moto lotação"...Nossa, como era divertido....nessa época a gente solteira e nunca ficávamos com ninguém...o prazer da amizade, da aventura era muito mais divertido que estar acompanhada ou namorando. Pena que tudo isso mudou.

Teve tempos também que viajava muito pra Caraguatatuba, meu pai tinha casa lá...era delicioso pilotar pelas curvas da Tamoios e algumas vezes com amiga na garupa. Lembro que nas semanas de feriado...meus pais seguiam destino a praia de carro e eu de moto, eu saia mais tarde do que eles e chegava sempre antes. Eles sempre preocupados, mas já sabiam o quando moto em minha vida é importante!!

Outra viagem que não esqueço... Acordei em um sábado de inverno, tempo frio mas com sol , fui pra academia e enquanto corria na esteira..me veio uma vontade de pegar estrada....resolvi e fui....fui até Campos do Jordão..sem saber onde ficar, acabei por ficar em um Hotel no Mmorro do Elefante...foi delicioso viajar sozinha...e olha que voltei outras vezes para apenas um almoço e caminhada.

Meu primeiro acidente foi a caminho ao trabalho no shopping Iguatemi. Garoava e eu em plena Marginal Pinheiros com todo cuidado do mundo levei uma fechada de um caminhão, que me fez derrapar, cair . Acordei no Hospital das Clínicas, onde fiquei sabendo que havia "apenas" quebrado uma perna. Recuperação chata, me atrapalhou muito nas aulas práticas que tinha no meu curso de Educação Física. Mas mesmo assim, fazia todas aulas...pulando feito um Saci ( com uma perna só). Muitas vezes fui aplaudida por tanto esforço!! Ficava orgulhosa de mim mesma.

Segundo acidente, voltando de um bar chamado Rabo de Peixe, muitos motociclistas se encontravam lá. Começou a chover no meio do caminho d aminha volta pra casa...chuva forte..passei por um buraco que se escondia com uma poça d'agua. Fui por chão, comigo nada aconteceu, mas o guidão da moto ficou torto...voltei pilotando a moto enorme de uma amigo que me acompanhava e ele voltou com a minha. Confesso que foi a primeira vez que pilotava uma grande moto, senti muito medo de cair novamente, mas tudo deu certo!

Terceiro acidente, não existirá!!

Nossa, e a trilha que fiz em Campos do Jordão...esse dia passei por 6 horas trilhando caminhos desconhecidos...até que chegou a noite e precisei acender o farol....mas que farol??? A moto era alugada e fui descobrir que o farol não funcionava a hora que mais precisei...no meio de um caminho desconhecido e escuro . Esperei por muitos minutos um carro passar e fui o acompanhando até aparecer a avenida principal. Ufa!!!

Outra trilha que fiz , em Monte Verde, estava com um namorado..alugamos duas motos e nos aventuramos no meio das trilhas...desertas...sem placas....no meio do nada achamos um restaurante e comemos uma Truta fresca....continuamos a trilhar caminhos, nos perdemos ...mas achamos um linda Cachoeira, onde paramos pra descansar um pouco. Conseguimos voltar...mas que pena...se perder no deserto com o namorado é muito bom!! Recomendo.

Morei em los Angeles e lá viajei algumas vezes para San Francisco e Las Vegas em uma Moto Kawasaki ZX6. Passava por estradas com vista maravilhosa....o deserto de Nevada é exuberante, a paisagem de San Fracisco é hipnotizante. Mas a melhor aventura que passei com a moto em L.A. foi em um encontro de motociclistas que participei em Hollywood...haviam poucas mulheres......foi dada a largada em velocidade, mais de 50 motos , todas esportivas..seguimos pelas grandes avenidas quando, de repente percebi um movimento aflito....na verdade todos começaram a fugir da policia, fiquei sem entender e seguir também outro caminho...acho que era proibido essa movimentação pela noite...percebi que tinham muitos Mexicanos e Korianos no encontro. Até hoje não sei que diabos de grupo que fui me meter!! Doidaaaa


Tenho um amigo que tem uma Kawasaki ZX14. Em uma festa de aniversário em sua casa ele mostrou sua moto e me convidou pra dar uma volta.. na verdade eu não gosto de garupa, tenho muiiiito medo...sendo assim, ele deixou eu pilotar....foi maravilhoso e engraçado , os dois na tarde da noite , sem capacete, em uma linda e grande moto , ele na garupa...e ainda um detalhe, um cantor famoso, bem famoso. As pessoas olhavam assustadas sem entender a cena. Ver a cena do tal cantor em uma garupa de moto , com uma mulher no piloto??? Era realmente de chocar!! Mas não posso esquecer a emoção de pilotar uma ZX14.

Aqui em São Paulo passo por muitas aventuras, adrenalinas do transito. Posso dizer que tenho duas visões , do motociclista e do motorista de carro. Quando tinha moto e não sabia dirigir carro, também achava um absurdo o pouco caso e falta de cuidado dos motorista de carro, depois da minha prática no volante, pude perceber que existe sim um ponto no retrovisor..ponto falso..que dificulta a visão..os motoboys passam rapidamente..mudam de faixa de forma brusca...não dão passagem....são praticamente os donos dos corredores..chutam retrovisores...ameaçam as pessoas...mesmo sem razão por muitas vezes são agressivos. é uma verdadeira guerra, uma violência durante o caos do transito. Os motoristas também não tem tanto cuidado, confiam muito no retrovisor..olham rapidamente e já sentem seguros para mudar de faixa, falam no celular e escutam som alto, esse descuido todo também causa mais raiva aos motoqueiros, na verdade é uma troca de ódio. Eu tendo as duas visões , consigo ser mais sensata, eu de moto sou bem educada com os motoristas e de carro sou 5 X mais cuidadosa com o motoqueiros.

Mas mesmo com toda esse guerra entre motoristas e motoqueiros, esses dias pude presenciar um motoqueiro que ajudava um taxista idoso a trocar o pneu do carro. Queria ter fotografado, pois eles são os que mais brigam entre eles. Com toda certeza esse motoboy perdia tempo e dinheiro enquanto socorria o taxista, já que a maioria ganha por entrega.

Aviso aos Motoristas; pensam que a vida dos motoboys são mais que estressantes, eles nunca sabem se vão voltar pra casa, a pressão da entrega rápida é grande. Pressão que todos nós já fizemos sem perceber..exemplo disso é quando pedimos uma pizza que demora e ligamos reclamando sobre o atraso.Todos nós dependemos hoje dos entregadores de duas rodas. Eles nos possibilitam urgentes entregas, a comida quentinha que chega rápido , o presente do(a) namorado(a) etc etc etc.

E para os Motoboys, sejam mais educados, menos rebeldes, tentam sinalizar mais suas passagens, deixam pessoas atravessarem as ruas. Parem também para deixar um motorista mudar de faixa quando precisa. E não pensem que sempre são vistos nos retrovisores..existe sim um ponto falso.


Não há excesso de liberdade se aqueles que são livres são responsáveis. O problema é liberdade sem responsabilidade"



Eliana Malizia

quarta-feira, 5 de março de 2008

"Dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo"




"Dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo." Batata... é lei da física, não tem o que discutir...

Metrô lotado, ônibus cheio, Av. Paulista na hora do almoço, Av. 25 de Março, o dia inteiro, balada à noite, na pista... alguma dúvida de que a física acertou quando disse isso? As muvucas humanas estão aí, não temos como escapar delas. Estão aí para serem vividas, sentidas, tocadas, percebidas...aff..não queria sentir, apenas olhar de longe. Umas impactam mais em nossas vidas, outras menos, mas simplesmente estão aí.

Confesso que tenho grande problemas com lugares cheios, apertados..pessoas esbarram sem pedir desculpas..pisam no seu pé, passam suados encostando na gente...ahhhhhhhhh!! Fico brava só de pensar!!! Ainda não desenvolvi paciência..quem me conhece sabe. Eu sinto um calor exagerado, mais que o normal.....então esses lugares muvucados, cheios....ficam sem dúvidas ainda mais estressante pra mim.

Gostaria de aprender a conviver com isso...embora tenha humor pra muitas situações, essa ainda não aprendi a conviver..alguém tem uma boa dica?

Mas deixa pra lá...melhor estar em lugares cheios a estar cheio de si próprio, de saco cheio das pessoas...saco cheio da vida! Acho que é melhor pensar assim!!

Pra relaxar das lembranças das muvucas que esbarram em nossas vidas , ai vai um poema de um Autor desconhecido..li e lembrei de mim mesma!! hahaha


ERÓTICO


"O momento no qual estamos juntos, é interminável.

Nossos corpos estão tão unidos, que posso sentir as batidas do seu coração!!!

Nossa respiração confunde-se com a do outro...

Nossos movimentos são sincronizados... indo e voltando... para frente e para trás...

Às vezes pára, e então, quando nos cansamos da mesma posição, nos

esforçamos para mudar, mesmo que seja só por pouco tempo.

O suor de nossos corpos começa a fluir sem nada que possamos fazer...

Um calor enorme parece que nos fará desmaiar...

Uma força ainda maior nos faz ficar ainda mais colados um ao outro.

E, quando não agüentamos mais segurar... Uma voz ecoa em nossos ouvidos:

" ESTAÇÃO SÉ !!! DESEMBARQUE PELO LADO ESQUERDO DO TREM "


Autor Desconhecido ( pelo menos por mim)

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Lux realmente é um Luxo




Lux é o apelido da minha amiga Lucia Lamberti. Fizemos uma viagem ao RJ a bordo do Navio Island Escape. Fiz fotos de tudo e todos. Fotografar pra mim é registrar e expressar momentos que podem ser esquecidos, deixados. É congelar um momento, uma emoção, um sentimento que palavras não podem dizer. Por isso Lux , não sou poeta mas ai vai um poema pra você, com todo carinho, lembrando que tua companhia no Navio foi um LUXO!!


Mulher da pele clara , cabelos lisos


Tens uma luz que me faz seguir-te


Luz do sol, luz da lua


Minha lente quer te focar


Registrar como tu és bela


Guardar seus atos, sua felicidade, seus passos


Ah Senhorita Luz,


escondida vou te clicar


Não fuja, não se esconda


Não deixes seus momentos morrer


Momentos são vividos, sentidos


Esquecidos não podem ser


Seu sorriso belo, seus pensamentos que expressam


toda emoção que veio a florar.


Lux luxo,


que achas disso tudo mudar?


Que achas dessa fuga acabar?




Eliana Malizia

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

O Strip Tease da JAPA




Alguém que faz um strip tease consegue ser elegante?? Isso é possível? Falo sobre uma pessoa meiga e encantadora que eu e meus amigos M.L. e D.R. conhecemos em uma festa fechada que teve no Clube Vegas. O Strip Tease da Japa vai ficar na memória e o mais engraçado de tudo foi feito ao meu pedido em momento de brincadeira. A japa , hostess da casa, deixou a recepção e foi dançar um pouco com os convidados, ela vestia apenas um sobretudo longo e cheio de botões. Eu na brincadeira comentei que a roupa dela parecia de Striper e perguntei que vestia por baixo daquele longo e fechado sobretudo...ela respondeu "NÃO USO NADA" e na seqüência foi se afastando com uns passinhos pra trás e começou lentamente desabotoar o seu casaco, um por um no ritmo da música. E não é que tirou tudo mesmo e mostrou todo seu corpinho !!! Ela realmente não tinha roupa...quero dizer , estava apenas de lingerie de algodão ...mostrou seu corpo magro, esbelto , cor de pele bem branquinha e o tempo todo sorrindo , delicada, carinhosa, com o dom de dispir-se sem vulgaridade, ahhh, achei demais, eu e meus amigos ficamos surpresos, de boca aberta, que atitude corajosa e ainda mais com um jeitinho todo especial, suave...realmente a JAPA arrasou. E o mais interessante de tudo é que CLARO, nunca uma mulher havia feito um strip tease pra mim . Agora posso dizer que sim....hahahahaha. A japinha mandou muito bem!!! Nunca vou esquecer que um dia uma mulher fez um strip pra mim. Meu momento quase lés!! Quasseeeeeeeeeee!


Eliana Malizia

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

SOPA MÁGICA DA FELICIDADE - Ingredientes;




chocolate, SAMBA, vinho, SUSHI, praia, FIO DENTAL, chá, VIAGEM, motociclismo, ALTURA, pipoca, LIVRARIA, música, VOAR, mágica, BOXE, dança, SALADA, cinema, NEW AGE, sorriso, PEDALAR, sonhar, HAVANNA, havainas, LUA, lounge, PRAIA, new age, SORVETE, surpresa, CAVIAR, ovo frito, PARAQUEDAS, rio de janeiro, MERGULHO, animais, NATUREZA, tecnologia, LAREIRA, saquê, PERFUME, abraço, MASSAGEM, hidratante, AMIZADE, céu, ESPORTE, música, AMOR, black, TOQUE, beijo, PARIS, show, VICTORIA'S SECRET, lima da persa, CARÁTER, sol, SAÚDE, kibe cru, CULTURA, fotográfia, LÁBIOS, chuva, MEL, turismo, LIVRARIA, voluntarismo, FIDELIDADE, dormir, AV. PAULISTA , salsa, PORTO MADERO, shopping, AMIZADE, liberdade, PAIXÃO, reciprocidade, AMAR

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Vou fazer aquilo, ah aquilooooooo


Já olhou pra lua hoje?

Ela diz muita coisa

Ela diz que você estressa a toa

Diz que você lamenta muito

Também que o mais interessante da vida

esta na simplicidade ,

na forma como se vê a vida, o dia, a hora

Você quer acordar feliz?

Nada vai te abalar?

Simples assim, basta querer

Me exausta ficar a serviço da vaidade, mas

Tudo bem, de repente você se vê em sutuação ruim

Presa no trânsito da 23 de Maio, chuva, o carro quebrando

Atrasada com compromisso

O som do carro também não funciona

Nada pra te aliviar

A chuva é muito forte, mal se pode enxergar



Nossa, o desembaçador também não funciona

Abre o vidro, mas teras que deixar a chuva entrar

O vidro embaçado, embaça a vida

Mas é assim mesmo, a vida não é feita só de alegria

chove chuva...nos sonhos afogados


Tudo que disse sobre a lua, eu acredito

Acredito sim que, quem faz seu dia é você mesma

Mas da pra pensar assim sempre?

Da pra estar em equilíbrio sempre?

Desculpa, mas não

Desculpa, eu quero mais

Eu mereço mais,

E esta mais do que na hora

2007 esta chegando ao fim

Metas tenho para 2008

e acho mesmo que vai ter que ser AQUILO

o que seria aquilo? só eu sei, meu segredo

Esperas e veras

Talvez nao veja mas perceba

Não basta ser esperto, tem que ser inteligente

2008 vou fazer aquilo, não que seja o que sempre sonhei

mas vai ser melhor pra mim...aquilo, ah aquiloooooo vai ser

realmente melhor!!



quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Ah que isso!!??...elas estão descontroladas!! Não para, não para, não para não!!!



Lá vem eu criticar...risos. Também não é pra menos. Me assusta cada vez mais o comportamento feminino em festas, baladas etc e tal. Não sou nenhuma santa e também não pretendo ser. Mas tudo tem sua hora, seu lugar. Já perceberam como as mulheres dançam ultimamente? parecem estarem diante a um exame ginecológico ou prontas para terem um filho. Fazem cara de chuchucas e outras fazem o tipo " sou feia mais estou na moda" Que ótimo extravasar sensualidade, mas vulgaridade já passa do limite. Essa cultura funk é pra ser coloca em pratica nos bailes funk, a realidade da dança do ritmo e das letras são realmente culturais desde os anos 70. Mas ultimamente todo tipo de dança e lugar é motivo de dar uma aguachadinha. Parece um concurso, quem descer mais até o chão ganha a atenção de todos, o prêmio é só este! Já basta. Depois os homens que só pensam em sexo e oba-oba. Não estou aqui pra defender os homens , na verdade essa guerra da liberdade de expressão, de tesão , esta se equilibrando entre homens e mulheres, mas claro que ainda existem os machistas. Hoje as mulheres abordam os homens, os convidam pra sair, pagam a conta , só falta abrir a porta do carro. Aff....pior que muitos estão adorando a idéia. Se chegar a esse ponto eu fico solteira, meu compromisso será somente com a vida e nada mais.

Hoje recebi um recado pela net de um amigo, ele queria de alguma forma desabafar, esqueceu de ser delicado com as palavras, mas demonstrou com poucas toda sua energia e decepção. Não queria palavrões no meu blog...mas ai vai o recado dele pra mim, se referiu ao término de um recente namoro, qual estava muito entusiasmado. Uma pena...acabou por me atacar sem perceber, ou será que percebeu?


Eliana , já me fudi de novo....vocês mulheres são foda!!!! Que decepção, não é a toa que tem tanto gay por ai. Você pode nao ter culpa, mas eitcha genero da porra.


Bom, depois que li, conclui que os homens tem também se decepcionado bastante com atitudes e comportamentos das mulheres. A mulher depois que começou a ganhar espaço profissionalmente, depois que começou a ser livre de opinião, mais independente, começou também a ter comportamentos masculinos. Poxa, acabou a graça, os homens não precisam mais chegar a nós, se aproximar, conquistar, hoje em dia eles estão se esquivando, fugindo e fazendo muita finta por ai. As mulheres estão caindo pra cima. Que medo!!


Eu que não vou chegar a ninguém, posso dar sinais de interesse...posso conquistar no dia-dia. Mas chegar em um homem na maior cara de pau? Não quero e não vou ....e dançar até o chão sem perder o rebolado farei somente pra o homem que me conquistar , ser só meuuuuuu!! Vou ser cachorra, boladona, tigrona, popuzada e o que mais ele quiser!! Muitas mulheres ainda não perceberam essa diferença, pra tudo tem a hora , o lugar e o homem certo.


Está ficando difícil ser mulher, cada vez mais....


Eliana Malizia


Eu me rendo.
por Danuza Leão


Quantas mentiras nos contaram;

foram tantas, que a gente bem cedo começa a acreditar e, ainda por cima, a se achar culpada por ser burra, incompetente e sem condições de fazer da vida uma sucessão de vitórias e felicidades. Uma das mentiras: É a que nós, mulheres, podemos conciliar perfeitamente as funções de mãe, esposa, companheira e amante, e ainda por cima ter uma carreira profissional brilhante. É muito simples: não podemos. Não podemos; quando você se dedica de corpo e alma a seu filho recém-nascido, que na hora certa de mamar dorme e que à noite, quando devia estar dormindo, chora com fome, não consegue estar bem sexy quando o marido chega, para cumprir um dos papéis considerados obrigatórios na trajetória de uma mulher moderna: a de amante. Aliás, nem a de companheira; quem vai conseguir trocar uma idéia sobre a poluição da Baía de Guanabara se saiu do trabalho e passou no supermercado rapidinho para comprar uma massa e um molho já pronto para resolver o jantar, e ainda por cima está deprimida porque não teve tempo de fazer uma escova? Mas as revistas femininas estão aí, querendo convencer as mulheres - e os maridos - de que um peixinho com ervas no forno com uma batatinha cozida al dente, acompanhado por uma salada e um vinhozinho branco é facílimo de fazer - sem esquecer as flores e as velas acesas, claro, e com isso o casamento continuar tendo aquele toque de glamour fun-da-men-tal para que dure por muitos e muitos anos. Ah, quanta mentira! Outra grande, diz respeito à mulher que trabalha; não a que faz de conta que trabalha, mas a que trabalha mesmo. No começo, ela até tenta se vestir no capricho, usar sapato de salto e estar sempre maquiada; mas cedo se vão as ilusões. Entre em qualquer local de trabalho pelas 4 da tarde e vai ver um bando de mulheres maltratadas, com o cabelo horrendo, a cara lavada, e sem um pingo do
style glamour - aquele - das executivas da Madison. Dizem que o trabalho enobrece, o que pode até ser verdade. Mas ele também envelhece, destrói e enruga a pele, e quando se percebe a guerra já está perdida. Não adianta: uma mulher glamourosa e pronta a fazer todos os charmes - aqueles que enlouquecem os homens - precisa, fundamentalmente, de duas coisas: tempo e dinheiro. Tempo para hidratar os cabelos, lembrar de tomar seus 37 radicais livres, tempo para ir à hidroginástica, para ter uma massagista tailandesa e um acupunturista que a relaxe; tempo para fazer musculação, alongamento, comprar uma sandália nova para o verão, fazer as unhas, depilação; e dinheiro para tudo isso e ainda para pagar uma excelente empregada - o que também custa dinheiro. É muito interessante a imagem da mulher que depois do expediente vai ao toalete - um toalete cuja luz é insuportavelmente branca e fria, retoca a maquiagem, coloca os brincos, põe a meia preta que está na bolsa desde de manhã e vai, alegremente, para uma happy hour. Aliás, se as empresas trocassem a iluminação de seus elevadores e de seus banheiros por lâmpadas âmbar, os índices de produtividade iriam ao infinito; não há auto-estima feminina que resista quando elas se olham nos espelhos desses recintos. Felizes são as mulheres que têm cinco minutos - só cinco - para decidir a roupa que vão usar no trabalho; na luta contra o relógio o uniforme termina sendo preto ou bege, para que tudo combine sem que um só minuto seja perdido. Mas tem as outras, com filhos já crescidos: essas, quando chegam em casa, têm que conversar com as crianças, perguntar como foi o dia na escola, procurar entender por que elas estão agressivas, por que o rendimento escolar está baixo. E ainda tem as outras que, com ou sem filhos, ainda têm um namorado que apronta, e sem o qual elas acham que não conseguem viver . Segundo um conhecedor da alma humana, só existem três coisas sem as quais não se pode viver: ar, água e pão. Convenhamos que é difícil ser uma mulher de verdade; impossível, eu diria. Parabéns para quem consegue fingir tudo isso....

domingo, 25 de novembro de 2007

Piração da madrugada








Hoje não quis sair de casa...uma forte enxaqueca tomou conta dos meus sentidos, a única coisa que conseguia sentir era a dor. O dia inteiro dentro do quarto, dormindo, tentando aliviar a dor com remédios, luz apagada e nada resolvia. O telefone tocava e eu não atendia...convites ao meu encontro chegavam, deixei a covardia de lado e atendi algumas das ligações e confesso que foi chato ter que falar a verdade " não vou sair porque estou com uma forte dor de cabeça" parece desculpa pra boi dormir, não? mas era fato.
De repente , me bateu um desespero de ficar dentro de casa e um último convite foi feito. Minha irmã me chamando para ir em uma festa badalada em uma casa de um bãm bãm bãm atrás do Shopping Iguatemi. Ok ,tomei outro remédio pra dor , me arrumei rapidamente e me forcei a ir " preciso sair, respirar, ver a rua, ver gente" provar outros sentidos, porque naquele momento a única coisa que conseguia sentir, era a dor que explodia dentro do meu cérebro e me fazia sentir muito mal, sentir naúseas.
Não gosto desses papos tristes, não sou uma pessoa deprimida, mesmo nos momentos de tristezas sei que consigo ter humor , sei que consigo pensar " isso tudo vai passar". Triste ultimamente estar acontecendo coisas não tão boas, mas tenho certeza que logo-logo estarei escrevendo fatos incríveis neste blog. Podem aguardar.

Mas voltando...

Demos carona para um amigo artista plástico , ele já meio louco dentro do carro começou a contar sobre a vida e me perguntou " você já matou alguém e esta sendo julgada por isso? você já foi violentada sexualmente? Ele me perguntou , se referindo ao casal ( filha e genro) que se completavam por passarem por problemas tão fortes, tão graves, intensos. A filha havia sido violentada por 5 caras da faculdade depois de ter tomado uma bebida com o tal boa noite cinderela e o marido dela havia matado um amigo em um acidente de carro por irresponsabilidade no trânsito.
Me perguntei ...tenho algo tão forte pra carregar? pra enfrentar? não, realmente não...então suspirei e pensei " poxa, realmente sou feliz" não posso reclamar...ao mesmo tempo um pouco da minha dor de cabeça foi aliviada.
Aiiiii, que papo mais deprê essas horas da manhã ( 05:25). Mas continuando...

Cheguei na festa, pessoas dançando, bebendo, se divertindo, batendo papo, sorrindo..senti uma energia boa sim e lá estava eu...mais uma vez pensei " sou feliz , vou me divertir" Bebi dois drinks, o suficiente pra eu ficar um pouco mais cara-de-pau, um pouco mais eu, um pouco mais relax, tudo foi ficando muito divertido. Mas,chocante foi o momento em que um Professor de Economia da Unicamp na fila do banheiro me ofereceu um " teco"...é, isso mesmo, um "teco". Eu perguntei o que era e ele respondeu fazendo um gesto no nariz como quem diz " cheirar", perguntou mais uma vez e eu CLARO não aceitei, nunca haviam me oferecido. Encarei a situação com normalidade, como se aquilo fosse comum. O que poderia fazer? brigar? ofender? me assustar? ah, essas coisas não me assustam , por mais que eu não veja e não conviva com tal realidade tão de perto eu sei SIM da realidade, assito jornais e leio revistas..risos.

Muito rapidamente minha irmã quis embora. Chegou a mim e ao meu amigo, dizendo " eu vou embora, querem ficar ai? podem ficar, depois vocês voltam sozinhos" bom, ela sabia que estavamos de carona com ela. Eu não tinha alternativa a não ser ir embora, não me importei, o fato de voltar pra cama também me agradava profundamente. Fui então me despedir das pessoas e peguei o elevador . Cheguei na portaria e só tive tempo de ver o carro da minha irmã indo embora. Que aconteceu? porque ela fez isso? que eu fiz? ela me tirou de casa de pijama com dor pra fazer companhia a ela. Ok, fiz com toda boa vontade e ela sabia que não teria grana pra pagar um taxi e que não conhecia ninguém da festa ao ponto de me dar carona. Nossa, que decepção, o que a fez reagir dessa forma? Subi do volta pra festa chorando, sim assustada, sim decepcionada. não sou boba, não sou burra, sei me virar sozinha, mas era minha irmã quem me deixava na mão, na casa de estranhos sem saber como voltar. Liguei no telefone dela e nada de me atender. Então resolvi ir embora a pé...fui caminhando da marginal até Av. Nova Faria Lima...e chegando pela FARIA, fui caminhando sentido a santo amaro, pensei ate ir embora até minha casa ou esperar um ônibus depois da 5 da manhã. Sem dinheiro para táxi e sem ônibus de madrugada, o que eu poderia fazer? Muito medo senti andando sozinha , chorando com o sapato na mão. Porque teria que passar por todas essas situações ?? Ainda mais eu que sou a Maria carona, sempre presto essa gentileza com boa vontade e carinho. Que eu fiz dessa vida que me fizesse pagar um castigo tão cruel. Não sou nenhuma coitadinha, não ficaria sentada no chão da calçada chorando esperando uma alma iluminada me ajudar, um super homem passar..fui caminhando descalça, mesmo sem saber como chegar, escutando buzinadas e carros parando ao meu lado, como seu eu fosse uma qualquer, uma largada, bebada, uma louca. CARAMBA, que SITUAÇÃO! Enquanto eu caminhava, sabia sim as consequências de andar sozinha pela rua, escondi meus cartões de crédito e telefone dentro do sutiã. Me veio a idéia então de ligar para um casal de amigos, pois sabia que eles estariam em alguma balada. Tive sorte, eles estavão perto e me socorreram com uma carona. mesmo assim, senti vergonha de pedir ajuda. Mas como diz a velha estória, que seria da gente se não fossem os amigos pra nos levantar, nos acolher.
Agora estou em casa, pronta pra dormir, salva da piração da madrugada , salva da piração da cabeça de alguém que agiu sem pensar. Tudo bem, todos erram, mas que esse erro não coloque em risco a vida alguém, pior ainda se esse alguém ser da sua família.
Agora de volta a cama, para o lugar, onde não deveria ter saído hoje. Vou descansar em paz, feliz por ter amigos, feliz por ter sorte, feliz por ser forte...SEMPRE!!
Eliana Malizia
Uma grande amiga me mandou um poema depois que leu essa minha estória;
Resta esse constante esforço para caminhar dentro do labirinto
Esse eterno levantar-se depois de cada queda
Essa busca de equilíbrio no fio da navalha
Essa terrível coragem diante do grande medo,
e esse medoInfantil de ter pequenas coragens
(Vinícius de Moraes)

sábado, 17 de novembro de 2007

Atitudes Non Sense - Pegue seu banquinho e saia de mansinho



Ah, por favor, pelo amor de Deus...vou te contar!! Cada uma que me aparece..sei que não sou perfeita e nem pretendo ser, muito menos sei de tudo e sobre tudo. Mas concordam que esta faltando nas pessoas muito bom senso? Seria bom se todos nós tivessemos aula de etiqueta pra relações amorosas.



Esses dias uma amiga me ligou perguntando se devia sair com fulano ou não, disse que não estava interessada, mas que queria sair pra se distrair e ainda saindo recentemente de um casamento, a insegurança de sair com alguém pela primeira vez era fato, não sabia o que dizer, o que conversar. Calma..a tentativa sempre é válida, sair com alguém não significa ter que beijar e dormir com ela. Ter um bom papo, fazer novas amizades é sempre saudável, assim eu penso. E se não for agradável, não acontecer afinidades e esse pretendente dor indelicado e /ou grosso. Diga a ele " PEGUE SEU BANQUINHO E SAIA DE MANSINHO"



Fiz uma listinha de erros que não se deve cometer, principalmente no primeiro encontro, claro que com a ajuda da escritora Gloria Kalil. Pois não sou especialista..



Homens:


exibicionismo cabelo sujo, oleoso ou qualquer coisa com aspecto de sujo (aliás, não ter tomado banho antes do encontro é fatal para a continuidade do relacionamento)

roupa agarrada jeans "santropeito": aquele acima da cintura barriga de cervejudo camisa de sedam de cetim. (Brilhou? Tchau! tchau!)

camisa transparente camisa aberta ao peito (estampada, de cor berrante, etc) qualquer peça muito fashion! (Pode ser a grife mais cara do mundo, elas olham torto se você está vestido dos pés à cabeça com o último grito da moda.

Lembre-se: você não pode parecer que fica mais tempo em frente do espelho do que ela. O tipo metrossexual não está com essa bola toda). mesmo uma roupa sem graça pode passar, não dá para ser mal-educado tratar mal o garçom não se esforçar para se entender com os amigos dela fazer tipo (seja qual for) não pagar a conta nunca (é chato)

chegar com um amigo

falar alto

Atender o celular o tempo todo



Mulheres:
falar palavrão e muita gíria
beber como um homem
dizer o que vai fazer no banheiro
falar de coisas ultrapessoais sem nem conhecê-lo direito (meu pai é alcoólatra, etc)
look "vulgar": roupa decotada, justa e curta demais, ares de "fácil"
peças e acessórios de cores berrantes
roupa de onça, zebra, tigre, dálmata ta na moda, mas não apareça tigrada no primeiro encontro
look superfashion (vestido em cima da calça, "embrulhos" de estilistas japoneses que escondem totalmente o corpo)
histerias e afetações que chamam a atenção de todos os que estão em volta( o popular "jogando para a galera...")
falar alto
Atender o celular o tempo todo



Sair com alguém pela primeira vez é uma experiência única, e por mais que já tenha saído pela primeira vez várias vezes, uma nunca é igual à outra. A sensação é de nervosismo e expectativa, mas nunca se sabe o que esperar até que esteja lá. Chegando ao encontro, você relaxa e a conversa flui numa boa, até que você fala…

“Meu(minha) ex costumava pedir isso o tempo todo”Falar de ex relacionamentos não é bom e agradável para quem está com você. Afinal, você conhece muito pouco a maneira de ser dele(a) e se ele(a) se sente confortável ouvindo você falar do(a) ex. Caso ele(a) pergunte sobre seu passado, responda francamente e rapidamente. Não seja a pessoa a trazer o assunto a tona. Não demonstre que a presença do(a) ex ainda está viva em você. Isso pode assustar e passar a mensagem de que você não está pronta(o) para um novo relacionamento.Além de falar de ex, outras frases podem simplesmente estragar um primeiro encontro, por passar mensagens negativas sobre você. Por exemplo: “Quanto você ganha?”. Dinheiro, renda, patrimônio são assuntos delicados e muito pessoais. Muitas pessoas não se sentem à vontade para falar sobre isso. E se para você o assunto “estabilidade financeira” é importante para um próximo passo, tente descobrir através de perguntas sobre a faculdade que fez, como é seu dia-a-dia no trabalho. Cuidado para não queimar seu filme demonstrando interesse no que a pessoa pode te oferecer.Muitas pessoas, para parecerem tranqüilas, cometem outro erro que é falar sobre outras pessoas presentes. Portanto, esqueça frases do tipo “Nossa, que espetáculo de garçom(garçonete)”. Mesmo que vocês dois tenham percebido que a pessoa se sobressai no ambiente, guarde o comentário para você, ou poderá acabar passando a mensagem errada. Mantenha foco total no(a) seu(sua) parceiro(a).Outro fator que pode estragar um encontro é centralizar toda a atenção para você. Tente não dominar a conversa por inteiro apenas com suas histórias e opiniões. Ele(a) pode achar que você é egocêntrica(o), e se acha incrível. O importante é ter equilíbrio nas conversas e fazer perguntas sobre ele(a). Mostrar interesse, manter olhos nos olhos, rir das frases bobas é um grande passo.O encontro foi um sucesso, vocês se divertiram muito, perceberam que tem muito em comum, então para que destruir a noite com um “Na sua casa ou na minha?”? Vocês devem ter conversado bastante e escutado muito sobre o outro.


Talvez ela(e) não esteja pronta(o) para falar de sexo. Se o encontro foi legal, deixe isso para o próximo encontro. Agora, se o encontro foi bom, mas você não tem interesse em sair com ela(e) de novo, não diga “Eu te ligo”. Essa frase é capaz de gerar falsas expectativas e muitas frustrações. Além de gerar dúvidas na cabeça de quem ficou esperando o telefone tocar. Portanto, se não tem certeza sobre um próximo encontro, apenas se despeça e agradeça a noite e a companhia.



Sem complicações...o impotante é arriscar, mas com cuidado, CLARO..gafes nem pensar!!




Eliana Malizia - fonte ( Livros de Etiqueta, Gloria Kalil)

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Ter um Super pai Super Pop é Super punk!!!




Hoje pela manhã logo que acordei fui tomar café, minha mãe sentou comigo e ela logo me veio contando.

_ Eliana, ontem a noite seu pai saiu da sala de tv, subiu até o nosso quarto apavorado, dizendo que você estava na televisão, no programa super pop. Ele subiu palido, bravo, reclamando, achando um absurdo em ver você participando de um quadro do programa, aonde você contava sobre traição de um namorado. Eu desci correndo pra ver. Incrivel, era sua cara, até o jeito de falar, mas para meu alívio não era você. Quando eu disse " não é a Eliana, é alguém parecida" ele ainda desconfiado continuou assistindo prestando atenção e cada detalhe e só foi acreditar que não era você , quando a tal moça falou que tinha um filho de 5 meses. Ele quase teve um infarto. E quando percebeu a confusão, acalmou e ficou aliviado.

Bom, na hora me deu crise de riso, mas ao mesmo tempo esse fato me fez refletir , percebo o quanto meu pai não me conhece, acha mesmo que me sujeitaria a essa apelação? nada contra quem está lá no programa atuando e apresentando, " apezar de achar aquele program péssimo", mas meuuuu deuuuussss!!! não seria capaz, quem me conhece bem, sabe. Definitivamente, meu pai não me conhece. Tenho certeza que se me conhecesse melhor muita coisa seria diferente. Tudo bem, quem nunca assistiu um desses programas de cultura inútil? Quem nunca riu das pegadinhas do Topa tudo por dinheiro? Quem nunca deu uma espiadinha no programa " qual é a música" é breguinha, mas inteligente...risos Ok, mas chegar ao ponto de participar do Super Pop??? Achei super Punk essa estória, isso sim!! Super punk!!

domingo, 4 de novembro de 2007

Só um minuto pra chorar

o





Antes de começar a escrever, me dei um minuto pra chorar, expulsar um pouco da dor que sinto no peito, aliviar o nó na garganta pra poder respirar suavemente e suspirar ...

Nem deveria escrever o que me doí na alma, não gosto de lamentar, me torturar e muito menos transmitir tristeza aos que me conhecem...

Hoje, domingo chuvoso, dia cinzento, permaneceu assim até o anoitecer, a chuva e o frio ajudaram a mantê-lo mais melancólico e triste... mesmo cinza , sai pra ir ao cinema com minha irmã e um amigo. Assistimos o drama " O Preço da Coragem " História real do jornalista norte-americano Daniel Pearl, sequestrado e decapitado por terroristas no Paquistão, em Janeiro de 2002.
O fato é que ler e ouvir sobre uma notícia é uma estória, assistir , ficar sabendo de todo drama de quem vive a realidade do caso é outra , chocante, triste, forte, real . Todos saíram do cinema calados, pensativos, estarrecidos. Eu geralmente me envolvo com os filmes que assisto e essa me pegou de jeito, não tinha como sair da sala feliz, cantarolando. Ainda pra completar , na volta pra casa, um rapaz homossexual soro positivo nos aborda no farol pedindo ajuda. Chegou até o carro de forma simpática e feliz , fazendo brincadeiras, mascarando seus problemas com um sorriso. Corta o coração, a gente reclama muito da vida e chora por probleminhas e muitos sorriem mesmo com grandes problemas.
Bom, na verdade não estou conseguindo escrever, me expressar, ou melhor, "não sei nem porque desta postagem, falar sobre o filme? falar do sentimentos dos outros? dos meus? Nossa, fiquei confusa. Não sei qual o objetivo principal pra estar aqui frente ao micro postando. Apenas posso dizer que me bateu uma tristeza, não sei dizer o que é exatamente... mas senti vontade de chorar, mesmo sabendo que de nada adianta e que não tenho ninguém pra me confortar neste exato momento, mas escrever sempre me deixa mais calma, sinto sensação de alívio a cada lágrima derramada. Sinto-me malabarista dos meus sentimentos, guio-me por caminhos traçados pelo meu coração. Por vezes esses caminhos tornam-se difíceis e intransitáveis, mas quando parece que já não há solução, nem saída... escrevo e desabafo mesmo sem saber porque. Me conforto em pensar que não é só de momentos alegres que se vive uma vida, isso é fato pra todo mundo. Todo!!!


Eliana Malizia


sábado, 3 de novembro de 2007

Quem sou eu? quem eu fui? quem eu vou ser? Leia sem medo!!





Já fiz cosquinha na minha amiga Claudia só pra ela chorar de rir. Já me queimei brincando com vela. Já pulei um muro bem alto porque minha amiga Tatiana não me deixava ir embora da sua casa. Eu já fiz bola de chiclete e melequei todo o rosto, já conversei com o espelho e dancei frente a ele .já brinquei de ser bruxa. Já quis ser Médica, Cantora, Veterinária ,Fotografa e Patinadora. Já me escondi atrás da cortina e esqueci os pés pra fora. Já passei trote por telefone. Já toquei a campainha e sai correndo, já fui pega em flagrantes " e que flagrantes " Já tomei banho de chuva . Já tomei banho de esguicho !
Já roubei beijo , mas nunca de namorado de amiga. Já confundi sentimentos. Já peguei caminho errado e me perdi. Já comi miojo cru. Já raspei o fundo da panela de brigadeiro, já me cortei tentando cozinhar e ainda continuo tentando.
já chorei ouvindo música no carro.
Já tentei esquecer algumas pessoas, e sinceramente? as esqueci. Já subi escondido no telhado pra tentar pegar estrelas, já caí da escada, já cai de moto, já cai de boba.
Já fiz juras eternas, já chorei sentado no chão do banheiro, já fugi de casa pra sempre, e voltei no mesmo dia. Já corri pra não deixar alguém chorando, já fiquei sozinho no meio de mil
pessoas sentindo falta de uma só. Já fiz trabalhos voluntários. já dei murro na parede e já quebrei o celular no chão. Já abri mão por amigos e namorados. Já menti pra meus pais.( prefiro contar a verdade). Já vi pôr-do-sol cor-de-rosa e alaranjado em Jericoacora, já me joguei na piscina frente ao mar em morro de São Paulo e não tive mais vontade de voltar, já bebi uísque até sentir dormentes os meus lábios, já fui passista e destaque em escola de Samba. Já olhei a cidade de cima e mesmo assim não encontrei meu lugar. Já fiquei em Cassino em Las Vegas até amanhecer. Já acampei em San Francisco. Já Dancei Salsa em Cuba e Tango em Buenos Aires. Já vi plantação de Maconha na Jamaica (eca). Já me emocionei ao ver o Cristo no RJ. Já me emocionei ao ver o mar transparente do Caribe. Já fui garçonete e manobrista na California. Já senti medo do escuro, já tremi de nervoso, já quase morri de "amor", mas renasci novamente pra ver o sorriso de alguém especial e esse sofrimento passou rápido demais! Já fui julgada injustamente. Já viajei muito a praia com toda a familia (nunca mais). Já acordei no meio da noite e fiquei com medo de levantar. Já fui sonambula e acordei de pijama debaixo do banho gelado. Já tive pesadelos, já tive lindos sonhos. Já apostei em correr descalço na rua, já gritei de felicidade, já roubei rosas no jardim de vizinhos. Já quebrei vidros de janela com pedra , já bati em meninos quando criança. Já andei de moto de olhos fechados, já saltei de paraquedas, voei de asa-delta em São Conrado. Já me apaixonei e achei que era para sempre, mas sempre era um "para sempre" pela metade.
Já deitei na areia da praia de madrugada e vi a Lua virar Sol, já chorei por ver amigos partindo, mas descobri que logo chegam novos
( Amanda, Lucia , Marilia e Erica) e a vida é assim mesmo um ir e vir sem
razão. E aprendi com isso tudo que a todo momento tudo se renova!!

A vida foi e é bonita até hoje. Todos anos que passaram valeram a pena e ainda tenho certeza absoluta que meu caminho é grande e que a vida me reserva muitas emoções ainda e sem dúvida, muitos amores virão ( espero um pra vida toda) , muita viagens farei, muitos desejos conquistarei. Nunca tive medo, não tenho medo. Eu vou e vivo! Eu simplesmente Sou, eu simplesmente Estou! Eu caminho e encontro somente coisas boas, as ruins eu dispenso...esqueço. A vida é forte e bela, o amor é a única coisa que vale a pena e no final de tudo, quando minha caminhada acabar, levarei comigo as melhores lembranças e de verdade encontrarei minha alegria, meu amor, minha satisfação , sabedoria e muito mais...muitas estórias pra contar.
Eu não espero acertar sempre! Não me mostrem o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração...Não me façam ser quem não sou, não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente! Não sei amar pela metade...Não sei viver de mentira...Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei o mesma pra sempre!!






Tudo se resume na frase " Que se leva da vida é a vida que a gente leva".